quinta-feira, 31 de março de 2011

MEMÓRIA - "O PIRATA DOS 7 POMARES"


Uma das melhores coisas da infância é pegar fruta no pé... Do vizinho... Sem ele saber, claro!

No meu sítio tinham muitas árvores que davam frutas, mas o legal mesmo era invadir o terreno alheio atrás delas. Era aventura garantida!

Eu e meu parceiro de pilhagem nos sentíamos como num dos antigos filmes de Errol Flynn, e mesmo sem um mapa com um “X” ou de um navio pirata, caçávamos tesouros que davam em árvores.

Manga era no território do Lobisomem, no terreno atrás de casa e subindo o morro, nunca o vimos na verdade, porque só íamos lá com o sol bem brilhante, então era mais seguro.

Caqui era no vizinho ao lado, onde a nossa invasão era mais tranqüila, afinal não tinha lobisomem por lá. E com um terreno plano e mais iluminado, ficava muito mais fácil, então podíamos escolher com mais calma, pegar os caquis mais graúdos, de vermelho bem vivo e dar no pé.   

Em nossas pilhagens conseguimos juntar riquezas diversas. Além das já citadas também saboreamos jambos, carambolas, abius, cajás, cirigüelas,jacas, sapotis e outras pérolas! Vizinho e pomar era o que não faltava na região.

Um dia, eu e meu marujo, resolvemos atacar o vizinho da frente, o único que não tínhamos invadido ainda e único que não tinha um pomar, mas um canavial!

Passamos pela cerca de arame farpado, atravessamos umas moitas de capim e chegamos ao nosso alvo. Não entendia porque nunca havíamos tido a idéia de pegar cana, afinal é uma delícia também... Mas a resposta chegaria rápido.

Ao contrário das frutas, que é só arrancar e correr sem fazer muito alarde, a cana tem as folhas que fazem um barulho danado, tem que ser cortada com facão, o que já soma mais barulho e torna o processo mais complicado e demorado. Não é simplesmente tirar de um galho. Isso sem falar que carregá-la era outro problema, já que a cana é comprida (na época devia ser até maior que nossa altura) e pouco prática de se carregar numa eventual fuga. 

Resumindo: Fomos pegos com a mão na massa, ou melhor, na cana.

O dono nos pegou porque ouviu o barulho e foi investigar. Foi nossa primeira captura como piratas e achamos que o dono do canavial nos faria andar na prancha e na pior das hipóteses, contar aos nossos pais... Isso sim seria o fim de nossa reputação!

Sem muitas alternativas pedimos desculpas e esticamos o braço para entregar a cana roubada e ele disse: - Podem levar!

Não levamos... Afinal que graça tinha levar com autorização?   

Nenhum comentário: