sábado, 1 de janeiro de 2011

ANTI COMPUTADOR SENTIMENTAL


Quando eu tinha uns 8 anos resolvi que queria fazer histórias em quadrinhos e até fiz algumas na época. Além das histórias em quadrinhos e da escola eu também fazia coisas de vital importância para me tornar o que sou hoje... Uma delas era caçar saci! Mas rapidamente percebi que não tinha talento e nunca consegui pegar o danado que sempre escapava em seu redemoinho de vento.

O tempo passou, tive que deixar o sítio onde cresci e me mudei para a cidade grande. Tive a partir daí, contato com um mundo completamente diferente e fui obrigado a me adaptar a boemia urbana... É, isso até que não foi tão difícil, considerando que eu nunca bebi, fumei ou usei drogas e mesmo assim sempre viajei bastante.

Bom, mas isso tudo não vem ao caso. O fato é que eu cresci vendo o surgimento e a popularização dos computadores de uso pessoal. Pra alguém que, quando criança, caçava saci e que um dos presentes mais marcantes foi uma máquina de escrever, é muito estranho assimilar com facilidade o conceito de Internet e toda esta tecnologia de ficção científica. Sou uma espécie de Dr. Spock burro e sentimental e quem conhece o Dr. Spock sabe que isso seria uma contradição.

Sou sentimental porque amava a minha velha máquina de escrever e burro porque, se mal sabia usar aquela máquina, imaginem então como me saio hoje. Ganhei meu primeiro computador pessoal em 1998 e, até o presente momento, tenho o impulso de pegar o vidrinho de corretor pra apagar algo que escrevi errado, no monitor(!).

Isso me lembra uma história que o cartunista Ziraldo me contou sobre ele. Quando foi a uma editora onde publicaria um de seus livros e lá disseram que teriam que corrigir um desenho, Ziraldo pediu um guache branco, que era o que costumava usar (ele ainda usa) para retocar algo direto nos seus originais. Daí o moço lá da editora perguntou surpreso: “-Guache branco?!”. Então o célebre cartunista explicou que era pra fazer o retoque sugerido e o moço lá não teve dúvidas: “-Deleta!”. Ziraldo não sabia nada sobre isso e, como eu, preferia pintar o monitor com corretivo mesmo.

Sou, como ele (e a letra da música), um “anti computador sentimental”.

Pra finalizar, antes que questionem minha inaptidão ao universo da informática, devo adiantar que quem instala programas no meu PC, combate vírus virtuais e cria meus Orkut’s, MSN’s, Blog’s e afins... É o Dr Spock!!!

Eu só escrevo mesmo!

... Vida longa e próspera!



2 comentários:

Fabrícia disse...

Ah...nada como receber uma carta via correio ou ficar esperando dias pra revelar as fotos de férias que tirávamos com câmera ("saboneteira") de filme! Nada como visitar pessoalmente um velho amigo e dar-lhe um abraço de verdade! E os jogos de tabuleiro então! Como eram gostosos de serem jogados...brincar de amarelinha, de pular elástico, soltar pipa, brincar de roda, de correr na rua... tudo isso hoje foi trocado pelos vídeo-games ultra modernos, pelos computadores e joguinhos eletrônicos.
Não entendo como as crianças hoje preverem ver TV o dia todo do que brincar de qqr coisa que seja, mesmo que seja presas dentro de casa!
Essa coisa de tecnologia ajuda mas, acaba com todo o romantismo da vida, eu concordo com vc! O ruim é que se a gente agora tentar viver sem ela, teremos que nos isolar no meio do mato pq ninguém irá nos compreender....rs...

José María Souza Costa disse...

Victor, gostei da parte " morava no sítio" Semelhante a mim. As 18 horas apaenas a Sinfonia de Cigarras, e as 05:00hs., o cantar longuiquo de um galo.E lá na roça, vale até aqueles das Rádios Am. Que saudade. Parabens pelo blogue.
Passei aqui lendo. Vim lhe desejar um Tempo Agradável, Harmonioso e com Sabedoria. Nenhuma pessoa indicou-me ou chamou-me aqui. Gostei do que vi e li. Por isso, estou lhe convidando a visitar o meu blog. Muito Simplório por sinal. Mas, dinâmico e autêntico. E se possivel, seguirmos juntos por eles. Estarei lá, muito grato esperando por você. Se tiveres tuiter, e desejar, é só deixar que agente segue.
Um abraço e fique com DEUS.

http://josemariacostaescreveu.blogspot.com